Vitória / ES - segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Transplante de Fígado

Indicações do Transplante l Como Encaminhar l Manual do candidato

 


 

 

 

  

 

Doenças do Fígado

São várias as doenças que podem atingir o fígado. Os sintomas variam conforme a gravidade do paciente, mas alguns dos mais comuns são: icterícia (o amarelão), ascite (retenção de líquido no abdome), fadiga (cansaço), tendência ao sangramento, fraqueza muscular, urina escura, náuseas e vômitos, fezes esbranquiçadas e confusão mental. Dependendo dos danos causados ao órgão pela doença de base, podem ocorrer alterações na absorção de vitaminas e nutrientes, acúmulo de substâncias tóxicas no organismo e redução da produção de proteínas e outros fatores necessários para a coagulação sangüínea.

Entre as principais doenças que podem atacar o fígado está a hepatite. Pode ser viral, auto-imune ou causada pela reação ao álcool ou a medicamentos. Há vários tipos de hepatite viral, designadas pelas letras A, B, C, D e E.

Outros tipos de doenças do fígado são menos freqüentes, como: doenças metabólicas, genéticas, infiltrativas, colangite esclerosante, cirrose biliar primária e atresia das vias biliares. Caso a alteração hepática seja muito grave, o transplante pode ser necessário. Outra freqüente indicação de transplante de fígado são os tumores hepáticos.

 

Quando é necessário um Transplante de Fígado?

Qualquer pessoa, criança ou adulto, cuja vida está seriamente comprometida por uma doença hepática grave e irreversível pode ser candidato ao transplante hepático, depois de esgotadas todas as demais alternativas de tratamento clínico e cirúrgico. O transplante de fígado é claramente justificado em doenças hepáticas que apresentam grave comprometimento à saúde do paciente e redução da expectativa de vida. Para indicar o transplante de fígado seguimos as normas do Ministério da Saúde.

 

 

 Como calcular o grau de gravidade da doença hepática?

 

Para definir de maneira exata e objetiva a dimensão da incapacidade do paciente com doença hepática utiliza-se o modelo matemático chamado MELD.

 

Calcule o MELD aqui.

 

O que é o transplante de Fígado?

Cirurgia que consiste na retirada do fígado doente de um paciente portador de uma doença hepática crônica ou aguda para colocar, no mesmo lugar, um fígado doado pela família de alguém com morte encefálica, ou parte do fígado de um doador vivo, doado por um familiar.

O procedimento consiste em três etapas:

  1. Retirada do fígado do receptor;
  2. Retirada do fígado do doador;
  3. Implante do fígado do doador no receptor.

A retirada do fígado do receptor é uma das partes mais delicadas da cirurgia. O fígado é responsável por determinados componentes da coagulação sangüínea, portanto pessoas com doenças hepáticas não coagulam bem o sangue, o que aumenta o risco de sangramentos, principalmente durante a cirurgia.

A doença hepática causa “hipertensão portal”, devido ao excesso de sangue que “tenta ser filtrado” pelo fígado. Isso torna a técnica cirúrgica mais difícil. A cirurgia pode durar de sete a 20 horas, dependendo do grau de dificuldade.

 

 

data de atualização 17/04/2010